• Unidade Centro
    (86) 3301-2500
  • Medical Leste(24h)
    (86) 3301-2510
  • WhatsApp

HPV, perigo além do útero

8 de fevereiro de 2011

No tribunal dos colaboradores do câncer, o papilomavírus humano, mais conhecido pela sigla HPV, já não responde apenas por danos a um único órgão ou por uma ameaça exclusiva ao sexo feminino. O micro-organismo sexualmente transmissível continua responsável pela esmagadora maioria dos tumores de colo de útero, um dos campeões em incidência entre as mulheres.

Mas — atenção, homens, essa notícia também lhes interessa — a ciência alerta: o mau elemento abre o caminho ao problema em outras redondezas do corpo. Onde? Uma revisão recém-publicada pela Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, esmiuçou, por exemplo, a íntima associação entre o HPV e um boom de tumores de boca e garganta . “Há um aumento na ocorrência de câncer de garganta em pessoas mais jovens do que o habitual e, em um número significativo deles, se observa a presença do vírus”, constata o cirurgião oncológico Fernando Luiz Dias, chefe do Setor de Cabeça e Pescoço do Instituto Nacional de Câncer. “Dados americanos indicam que até 50 ou 60% dos episódios da doença estejam relacionados ao HPV”, conta seu colega de especialidade André Lopes Carvalho, diretor científico do Hospital de Câncer de Barretos, no interior paulista.

Se levarmos em consideração os genitais, também deparamos com o malfeitor. “Em metade dos casos de câncer de pênis há a participação do HPV”, calcula o cirurgião oncológico Ademar Lopes, do Hospital A.C. Camargo, em São Paulo. Nas mulheres, ele é capaz de semear o mal na vagina e na vulva. E, independentemente do gênero, nem o ânus é poupado.

É preciso lembrar que nem todos os HPVs estão mancomunados com o câncer — hoje se sabe que os tipos 16 e 18 são os principais envolvidos. “E o contato com o vírus, mesmo que seja um de alto risco, não significa que haverá um tumor”, tranquiliza a bióloga Paula Rahal, da Universidade Estadual Paulista, em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. Predisposição genética para o câncer, baixa imunidade e tabagismo pesam na conta que resulta no problema. “Até 80% das mulheres infectadas eliminam o HPV espontaneamente em dois anos sem ter sintomas”, conta a ginecologista Cristina Helena Rama, do Hospital e Maternidade Leonor Mendes de Barros, na capital paulista.

Mas, claro, não dá para confiar na sorte, sob pena de cair no grupo das que irão colher retaliações mais graves. “Daí a necessidade de se submeter a exames de rotina, como o papanicolau, que identificam alterações no útero”, orienta Cristina. “Do momento da infecção ao surgimento do câncer podem transcorrer até 20 anos”, avisa Paula. Estendendo a mensagem aos outros alvos do HPV, qualquer sinal de algo errado na boca, na garganta ou no pênis merece policiamento médico. Aliás, um estudo também associou esse vírus ao câncer de mama. Mas os especialistas ouvidos por SAÚDE! acreditam que é cedo para fazer essa última acusação.

De qualquer modo, antes de procurar o intruso, você deve saber o que está ao seu alcance para se esquivar dele. Parte da resposta resvala nos princípios do sexo seguro. “Apesar de não ser 100% eficaz no caso do HPV, a camisinha ajuda a evitar a infecção”, diz Cristina. O problema é que o preservativo é deixado para a hora da penetração. E mais: o próprio saco escrotal, por exemplo, pode portar o vírus. Por mais careta que soe, quanto menos parceiros alguém tiver, menor o risco do contágio. Também é crucial cortar outros fatores pró-câncer. “Para os tumores de garganta, há um efeito combinado entre o cigarro, o álcool e a presença do vírus”, afirma Carvalho.

A fórmula mais segura e eficiente seria a imunização, por enquanto destinada às mulheres entre 9 e 26 anos. Especialistas já avaliam a aplicação em outras faixas etárias e a liberação para os homens — nos Estados Unidos, um dos imunizantes foi aprovado para a ala masculina visando à prevenção das verrugas genitais. “Dos tumores associados ao vírus, cerca de 70% dos de colo de útero, 80% dos de amígdala e 40% dos de pênis estão relacionados aos HPVs 16 e 18, os contemplados pelas vacinas disponíveis”, diz a bióloga Luisa Lina Villa, do Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer, em São Paulo. A despeito dos estudos em andamento e da discussão custo/benefício, o maior pesadelo do HPV será sua condenação a um futuro com vacina para todo mundo.

Entenda por que alguns tipos de HPV, como o 16 e o 18, provocam tumores no colo do útero, na boca, na garganta, no pênis…

1- Basta o contato sexual — ou uma carícia mais ousada — e o vírus ganha o corpo do novo hospedeiro. Logo, ele se desloca até um local perfeito para o bote — uma mucosa como a do útero ou a da garganta. Uma vez ali, despeja seu material genético dentro de uma célula. Então, o DNA do HPV se mistura com o da célula que infectou.

2- Com esse casamento dos genomas do vírus e da célula, o micro-organismo deixa de se reproduzir, mas consegue fabricar duas proteínas, a E6 e a E7. Elas são capazes de anular o trabalho de dois genes humanos, o p53 e o pRb, que zelam pelo bom funcionamento do nosso código genético.

3- Desativados, esses genes não enviam a mensagem de que a célula defeituosa deve ser destruída. Dessa forma, essa espécie de aberração celular se multiplica, gerando outras unidades imperfeitas. E então surge o tumor, que, se não for eliminado a tempo, fatalmente cresce e se espalha.

Os ruídos de um intruso

Conheça alguns sintomas que podem indicar uma lesão por HPV ou um tumor em fase inicial

BOCA: lesões avermelhadas na língua, nos lábios ou nas mucosas das bochechas que aparecem do nada e não vão embora. Visitas periódicas ao dentista ajudam a investigar toda a cavidade bucal.

GARGANTA: irritações na faringe ou nas amígdalas — esse sintoma pode ser semelhante ao de uma infecção bacteriana —, além de incômodos ou dores persistentes ao engolir um alimento.

Antes tarde do que nunca

O ideal é que todo estrago desencadeado pelo HPV fosse remediado antes de virar um tumor. No entanto, nem sempre é possível surpreender o problema em fase tão precoce, seja no útero, seja na garganta… Se uma lesão detonada pelo microorganismo for identificada a tempo, medicamentos, cauterizações ou pequenas cirurgias são capazes de conter a ameaça. Quando, porém, o vírus sai de cena e abre alas ao câncer, os médicos podem lançar mão, dependendo da área acometida, de procedimentos cirúrgicos, quimio ou radioterapia. “Nos tumores de cabeça e pescoço, a presença do vírus costuma ser um sinal de uma melhor resposta ao tratamento”, conta o cirurgião Fernando Dias. E o velho lema continua valendo: quanto mais cedo for feito o diagnóstico, maior a chance de cura.

Fonte: Saúde é Vital

1 Comentário

  1. janaina
    26 de março de 2011

    Minha filha teve uma verruga no dedo da mao.Retirei com acido acetil (em comprimido).Colocava na verruga e fazia curativo.Com tres (3) comprimidos.
    Meu marido tem muitas verrugas, e eu nunca soube que a verruga era um virus
    e eu comecei a ter verrugas no pescoço.Aquelas marrons que ficam penduradas,
    depois que me casei.Mas nunca me deu em outro lugar.Todos os exames de papa
    nicolau nunca deram até hoje problemas.Tenho 43 anos,será que minha filha
    pode ter probabilidade de ter no utero mais tarde,por transmissao minha?


Escreva um comentário